sábado, 16 de abril de 2011

Se eu não fizer, outro irá fazer no meu lugar!

Quantas vezes essa frase já foi repetida pelo mundo afora e quantas tantas vezes ela já foi falada no Brasil. Sei que nem sempre podemos escolher como ganhamos nosso dinheiro e sei que a necessidade é capaz de mudar e moldar pensamentos e atitudes para algo diferente e sei que muitas vezes a transformação é para algo pior ou ruim.

Acredito que dentro de todas as pessoas existe um sopro de moral e ética que produz algumas atitudes que demonstram bondade e altruísmo, mas sei que essa voz que reside na consciência pode ser calada de muitas formas e a mais fácil é através da bem estar pessoal.

Como vivemos em sociedade, deveríamos saber que nem sempre o desejo individual poderá ser satisfeito, isso acontece inclusive dentro de sua própria família, em algum momento alguém têm que abrir mão de algo para que o outro possa ter alguma coisa e assim como na sua família, isso também acontece no seu condomínio, na sua cidade, no seu estado, no seu país e inclusive no mundo. Quando se coloca aspirações pessoais acima de situações coletivas, temos um problema, talvez não para pessoa agindo, mas para os outros.

No Brasil, isso acontece de muitas formas e a mais evidente é na política, onde um grupo de "representantes do povo", muitas vezes se esquece do povo e age em benefício próprio, mas antes fosse só isso, pois coisas simples como não jogar o lixo no lugar apropriado por simples preguiça, pode ter efeitos danosos à saúde pública e essa "saúde pública" são outras pessoas iguais a você e tão importantes quanto.

Precisamos do nosso alimento diário e para isso teoricamente deveríamos nos esforçar para sermos bons trabalhadores que através de nosso esforço individual, seríamos capazes de conseguir tal façanha, mas isso não deve ser atingido a custa de outros.

Encontramos isso de forma bem explícita nos cargos e funções do estado brasileiro, onde "o sistema" é culpado pelos problemas sociais e nunca os indivíduos que fazem parte dele. A questão se resume a isso, se "o sistema" lhe impede de ser um bom empregado, não faça parte dele e se tiver que fazer parte, seja corajoso para enfrentar oposição, mas nunca e eu repito nunca se submeta a ser uma pessoa medíocre, sempre limitada por outras ao seu redor porque dessa forma você alimenta "o sistema" e garante que o mesmo permaneça forte.

É nesse contexto que aparece a frase do título e é nesse contexto que faço um pedido que se em algum momento esse pensamento cruzar a sua mente, aja corretamente ou deixe outra pessoa fazer isso, até que um dia, quem sabe,  chegue o momento em que "o sistema" é que terá que se adaptar. Posso até ser chamado de sonhador, mas prefiro viver a vida sonhando do que sem esperança por isso eu estou tentando fazer a minha parte, e você?

Um comentário:

Rodrigo Melo disse...

Oziel, muito interessante e intrigante o seu texto, pois nos faz refletir sobre coisas que podemos fazer, mas não temos coragem, pelo fato de estarmos por vezes numa zona de conforto que não queremos sair ou ainda atrapalhamos quem de fato quer fazer algo que pode impactar nossas vidas (pessoais ou profissionais) para evitar que "as coisas mudem"!